0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.comAcesse conteúdos jornalísticos, nos mais variados formatos, focados na informação como aliada das micro e pequenas empresasFri, 29 Dec 2023 13:19:12 +0000pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=6.2.40 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/cultura-empreendedora/assim-como-o-guarana-e-fruto-do-guaranazeiro-eu-sou-fruto-do-sebrae/Fri, 29 Dec 2023 13:16:08 +0000https://www.ilyyt.com/?p=19282A Guaraná do Brasil Agro completou 20 anos de atividades no Amazonas. Com sede em Maués, interior do estado, e produtora do Barão do Guaraná, um dos mais conhecidos produtos em pó, ela se transformou em referência de beneficiamento do guaraná com características sustentáveis e de alto valor agregado. Centenas de produtores rurais orgânicos fornecem matéria-prima, que é cuidadosamente beneficiada e distribuída no mercado local e nacional.

“Nós nos preocupamos com o social e com a produção orgânica. Nesses 20 anos, construímos uma história de integração com os produtores rurais e com nossos clientes”, afirma Sílvio Proença, também conhecido carinhosamente como “Barão do Guaraná’’, um gaúcho de Esteio, que deixou o Sul para viver na floresta amazônica.

Silvio Proença atingiu uma posição de credibilidade regional que fez de sua carreira como microempresário do agronegócio de floresta um exemplo de persistência, sustentabilidade e responsabilidade. Ganhou medalha do Mérito Industrial do Ano como Microindustrial de 2009, pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam).

O Sebrae Amazonas deu todo o suporte abrindo caminho para cursos e consultorias sobre gestão administrativa e financeira para Proença. “Eles conseguiram ver logo no começo que o meu negócio teria sucesso pelo que representa de sustentabilidade ambiental e fortalecimento da economia do interior, com algo genuinamente amazonense: o guaraná”, conta Proença.

A iniciativa foi precursora de beneficiamento do guaraná em uma escala reduzida, mas com sustentabilidade e qualidade final dos seus produtos oriundos da capital mundial do guaraná: Maués.

Benefícios

A Guaraná do Brasil Agro beneficia os grãos do guaraná existentes em Maués. Os fornecedores são pequenos produtores locais da agricultura familiar. O guaraná é conhecido como um tônico cerebral e tem propriedades naturais, que auxiliam a manter a memória e a constante ativação dos neurônios. É potente anti-inflamatório, modelador sanguíneo e auxilia na prevenção de acidentes vasculares cerebrais e infarto. É consumido pelos indígenas Sateré Mawes há mais de dois mil anos. Maués é uma das cidades com taxas de longevidade mais elevadas do Brasil, a média de vida local é de 82 anos.

Dentre tantas outras experiências, o guaraná possibilitou realizações de sonhos ao gaúcho e, após mais de meio século vivido,  ele diz que o sentimento é de gratidão. “Esse sentimento, após os 60, parece que vem com mais nitidez. A gente sente a pulsação maior. Trabalho com um produto do bem, que energiza as pessoas, que dá ânimo. Comigo não poderia ser diferente.”

A cachaça está entre as melhores do mundo e nós tentamos fazer uma coisa diferente. Não inventamos a roda, simplesmente a saborizamos com sabores regionais aqui da Amazônia, como açaí e o camu-camu. Eu trabalho principalmente com o licor do guaraná, e os clientes começaram a pedir para fazer a cachaça com guaraná, que fizemos e, posteriormente, criamos novos sabores. Estamos sempre testando.

Segundo ele, o principal problema enfrentado na produção da cachaça saborizada é a logística para o escoamento do produto, feito em Maués. Além disso, trabalhando exclusivamente com garrafas de vidro, o empresário também busca fazer reutilização destes vasilhames, trazendo também uma noção de sustentabilidade. “Fazemos questão de trabalhar com garrafas de vidro, porque o sabor em si é outro. Além disso, mesmo tendo a facilidade de produzir a cachaça aqui, o escoamento dessa produção é difícil, já que o meio de transporte aqui é fluvial, sendo tudo mais demorado e caro. Mas a questão talvez não seja o produto em si, mas a produção dessa iguaria, pela qual as pessoas pagam um valor alto”, diz o Barão do Guaraná.

Personalidade de Maués

O arquiteto gaúcho Silvio Proença, de 59 anos, virou filho de Maués e personalidade do município após popularizar a batida do guaraná na cidade. O guaraná é Patrimônio Cultural do Estado. Há 20 anos em terras maueenses, o Barão do Guaraná, como é conhecido, inventou a bebida “Turbinado”, que energiza os turistas e moradores com muita virilidade e disposição. O “pub” de sua propriedade virou um atrativo turístico para quem quer se energizar com o sabor da natureza.

“Quando vim pela primeira vez para cá, me encantei com a ilha da Vera Cruz. Que paraíso, que lugar lindo. Inclusive morei durante oito meses lá. E, durante esse período, vi que os moradores tinham o costume de consumir o guaraná, alcançando mais disposição. Vi idosos acima dos 90 anos trabalhando ainda. E tive a ideia de aprimorar o guaraná batido em uma bebida rica de energia”, explica o empresário.

Casado com uma maueense, Proença se especializou no fruto energético e percorreu o mundo divulgando a bebida turbinada. Do guaraná nasceram os derivados do fruto, como o chá, o licor, a limonada à base de guaraná, e tantas outras iguarias feitas pelo Barão do Guaraná.

Essa terra é mágica, é linda por natureza. Há 20 anos, eu via o caboclo da região consumindo o guaraná, mas o turista não tinha isso à disposição. Nós compartilhamos o guaraná para todo mundo. Hoje, o Turbinado, que é patenteado por mim, popularizou-se na cidade. A gente vê as pessoas felizes na cidade, os interiores são todos parecidos, mas aqui é diferente. E esse diferencial, essa energia, vem do guaraná.

“Estou sempre aprendendo e conversando com o Guaranacultor, com o Homem do Campo, com o Caboclo. Inclusive eu não sou barão, né? A gente está aqui lutando, aprendendo. É uma licença poética, porque não sou um barão, mas é uma maneira de homenagear todo produtor em si. Foi graças a isso, a esse tempo e ao apoio do Sebrae, que a gente  ganhou alguns prêmios como empreendedor”, relata o Barão do Guaraná.

]]>
0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/cultura-empreendedora/catadores-terao-programa-de-capacitacao-com-apoio-do-sebrae/Fri, 22 Dec 2023 19:19:58 +0000https://www.ilyyt.com/?p=19428O Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, participou, nesta sexta-feira (22), da celebração de Natal dos catadores e da população em situação de rua, em Brasília. No evento, que já se tornou uma tradição, o presidente colocou os ministros à disposição dos mais vulneráveis e destacou o objetivo do governo de retirar essas pessoas de invisibilidade social. O Sebrae participou da solenidade, onde foi firmado um acordo de cooperação técnica para melhoria dos sistemas municipais de coleta seletiva, com a inclusão produtiva dos catadores de materiais recicláveis.

O presidente do Sebrae, Décio Lima, ressaltou que a entidade já possui um trabalho consolidado com os catadores e que este trabalho será ampliado por meio do empreendedorismo. “Hoje já são 400 catadores formalizados como microempreendedores individuais e ainda possui cerca de 400 que estão na informalidade. São pessoas que acordam, limpam o Brasil e constroem renda. O Sebrae vai atuar fortemente, em todo país, junto a esses profissionais, para que possam se desenvolver, gerando ainda mais inclusão”, comentou. Hoje, os catadores, em atividade no Brasil, são responsáveis pela coleta de 90% de tudo que é reciclado no país. Dos cerca de 82 milhões de toneladas de resíduos sólidos produzidos, mais de 80% são materiais reaproveitáveis que podem gerar empregos, além de serem retirados do meio ambiente.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do Sebrae, Décio Lima (fotos – Charles Damasceno)

O papel dos catadores foi destacado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que destacou, em seu pronunciamento, que o primeiro ano do seu mandato foi concentrado no esforço de reorganizar a economia e os programas de governo que se encontravam desestruturados. “Esse ano de 2023 foi o ano de recuperar o país. O que eu quero é que vocês deixem de ser invisíveis. Quem está na rua tem pressa”, disse. Além disso, o presidente Lula reforçou o papel estratégico desempenhando pelos catadores. A reciclagem de resíduos é considerada uma grande fonte de economia de energia e promotora de recuperação do meio ambiente.

O Sebrae está construindo várias frentes de trabalho com os catadores de todo país. Em 2024, haverá a assinatura de um acordo de cooperação para o fomento do trabalho, emprego e renda no Brasil, com foco no público de catadores; e atuação da instituição para efetivar melhoria dos sistemas municipais de coleta seletiva com a inclusão produtiva dos catadores de materiais recicláveis. Na prática significa a construção de jornada de capacitação e consultoria em gestão de pequenos negócios para Cooperativas de catadores, formalização de MEI catadores e atuação junto às prefeituras e cooperativas.

O Sebrae irá também integrar o Comitê Interministerial para Inclusão Socioeconômica de Catadoras e Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis. Com isso, será possível efetivar o fortalecimento das associações, cooperativas e outras formas de organização popular dos catadores; melhoria das condições de trabalho; do fomento ao financiamento público; da inclusão socioeconômica; e da expansão da coleta seletiva de resíduos sólidos, da coleta seletiva solidária, da reutilização, da reciclagem, da logística reversa e da educação ambiental.

]]>
0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/cultura-empreendedora/sebrae-destaca-a-importancia-dos-pequenos-negocios-como-agentes-da-transicao-de-baixo-carbono-na-cop-28/Mon, 11 Dec 2023 19:17:14 +0000https://www.ilyyt.com/?p=19091O Sebrae/MT ressaltou a grande importância da transformação dos pequenos negócios como protagonistas da transição para uma economia de baixo carbono durante a 28ª edição da COP, a Conferência do Clima da ONU, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) indica que é impossível alcançar a agenda de transição de baixo carbono sem envolvimento dos pequenos negócios nesse processo. Considerando o relatório recente da organização, o diretor-técnico do Sebrae/MT, André Schelini, enfatizou a urgência de envolver esses empreendimentos nessa trajetória considerada fundamental para o futuro do planeta.

“Os pequenos negócios são peças-chave neste cenário de transição. É imperativo que eles estejam na vanguarda desse movimento rumo à sustentabilidade”, destacou Schelini durante as participações em painéis e rodadas de bate-papo da COP-28.

O Sebrae em Mato Grosso é referência nacional em sustentabilidade por gerir o Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS), que neste ano conduziu uma pesquisa com pequenas empresas mergulhando na essência da abordagem ESG (Ambiental, Social e de Governança) e sua relação com a sustentabilidade.

“A maioria desses empreendimentos compreende a importância da sustentabilidade, mesmo que ainda não dominem os termos técnicos e sem estarem familiarizados com as siglas ESG, ASG ou ODS [Objetivos de Desenvolvimento Sustentável]. Essa consciência é um passo crucial para o engajamento efetivo”, destaca André.

A abordagem do Sebrae não se limita à mitigação das emissões de gases do efeito estufa. A instituição busca também aprimorar a competitividade dessas empresas. Isso se traduz na inserção estratégica dos pequenos negócios em cadeias produtivas e de valor que abracem a gestão da transição para uma economia de baixo carbono.

No contexto do pacto global da Agenda 2030, destacam-se três escopos fundamentais: gestão das emissões da empresa, energia utilizada nos processos produtivos e a pegada de carbono gerada na cadeia produtiva.

“A inclusão dos pequenos negócios nessa agenda não só os tornam mais competitivos, mas também assegura sua participação no mercado global. Um diálogo contínuo com os atores territoriais é essencial para promover e implementar essa agenda. O ambiente de negócios e o engajamento empresarial são fundamentais, não apenas na formulação de políticas públicas, mas na capacidade dos territórios de explorar suas potencialidades locais para impulsionar a atividade produtiva”, frisou o diretor.

Cenário setorial

Os pequenos negócios desempenham um papel vital na cadeia produtiva em Mato Grosso, entre eles os setores de commodities agrícolas e de biocombustíveis. Para atender a essa demanda, o Sebrae é um instrumento fundamental para preparar empreendedores para contribuir com essa pauta, por meio de capacitações e orientações do sistema.

O Cidades Empreendedoras é um dos programas do Sebrae que contribui efetivamente no processo de promoção à articulação dos atores locais e implementação políticas públicas alinhadas com essa agenda. O programa Conexão Sebrae integra os pequenos negócios nas cadeias de valor, fomentando a inovação e sua inserção nessas cadeias produtivas.

Enquanto, a consultoria ESG é uma ferramenta valiosa para mapear a pegada de ecológica das empresas e implementar práticas sustentáveis, inclusive aquisição aquisição de UCS (Unidades de Crédito de Sustentabilidade), que certifica com o selo ‘Tesouro Verde”, metodologia desenvolvida em parceria com Grupo BMV Global – que foi selecionada como uma das 18 soluções para mudanças climáticas no mundo.

“Um dos maiores conservadores do clima é a preservação das matas. E o Sebrae escolheu o que há de melhor no Brasil para essa parceria. O selo ‘Tesouro Verde’ proporciona acessibilidade às pequenas empresas para que estejam dentro das novas economias, para que elas estejam inseridas no mercado alinhadas às práticas ESG, demonstrem a responsabilidade com os critérios dos ODS’s e também dar a credibilidade por estarem posicionadas no mercado”, pontuou a diretora do Grupo BMV Global, Pâmela Pádua.

Por meio de parcerias estratégicas, como a estabelecida com o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), o Sebrae trabalha para levar conhecimento como por exemplo publicações de cartilhas e processos, como o “Manual de Gestão Sustentável” para municípios, que orienta políticas públicas rumo à transição de baixo carbono.

A presença e as iniciativas do Sebrae na COP-28 evidenciam o compromisso em transformar os pequenos negócios em agentes ativos da transição de baixo carbono, garantindo sua competitividade e contribuição efetiva para um futuro sustentável.

]]>
0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/cultura-empreendedora/brasil-abriu-as-portas-para-o-sonho-empreendedor-de-casal-de-refugiados/Sun, 10 Dec 2023 00:55:41 +0000https://www.ilyyt.com/?p=19056“Estamos dando nosso máximo para crescer como pessoas e como empresa no país que nos deu esperança e alternativas para uma vida melhor”, afirmam Andrea Cordero e José Javier Obregón. O casal deixou a Venezuela com destino a Osasco (SP), em fevereiro de 2022, em busca de oportunidade de trabalho. Hoje, já administram o próprio negócio: a Ceres Natural, voltada à fabricação de cosméticos naturais. A empresa nasceu do sonho de formular com ciência e consciência e do investimento de R$ 1.500. Com suporte do Sebrae, os empreendedores apostam na venda digital, já visando à exportação.

Valorizar o meio ambiente é premissa de Andrea, que sempre sonhou em criar uma empresa amiga da natureza.

A sustentabilidade nos negócios é um desafio e uma necessidade para salvar o planeta e as gerações futuras. Por isso, nossos materiais são veganos e dispensamos testes em animais e não utilizamos fórmulas prejudiciais.

Andrea Cordero, sócia de José Javier Obregón na empresa Ceres Natural.

Graduada em Engenharia de Sistemas de Qualidade e Ambiente, carreira que engloba a gestão ambiental e de qualidade, ela vinculou sua formação aos conhecimentos que tinha enquanto maquiadora e manipuladora de cosméticos.

Em 2020, conheceu o namorado, que até então era seu colega de faculdade. Quando se formou, José passou a atuar como engenheiro agrônomo na área de plantas aromáticas e medicinais. Andrea propôs combinar os respectivos conhecimentos e os dois decidiram apostar na empreitada. Começaram a estudar boas práticas do mercado, processos de fabricação e normativas internacionais. Ainda na Venezuela, eles perceberam que não conseguiriam viabilizar o projeto, tanto pelas questões sociais e econômicas do país, quanto pela escassez de matéria-prima, como glicerina, óleos essenciais e vegetais.

O Brasil surgiu como oportunidade para realizar esse sonho. Mas o trajeto percorrido até aqui não foi fácil. O casal viajou de carro mais de 1.700 quilômetros até cruzar a fronteira com Roraima. Ao desembarcarem em Pacaraima, eles receberam assistência do Alto Comissariado das Nações Unidas e das autoridades locais. Na sequência, partiram para Osasco (SP), cidade onde mora o pai de Andrea, também refugiado.

“Nunca sofremos por xenofobia, muito pelo contrário, os brasileiros nos acolheram. Sentimos um povo que gosta de ajudar o próximo. Somos tratados respeitosamente”, conta José. Por meio da World Vision, organização internacional de ajuda humanitária, Andrea participou de processo seletivo para trabalhar em uma empresa de jogos on-line infantil e José foi trabalhar num instituto educacional. A partir daí, a dupla se disciplinou a economizar 40% da renda fixa que ganhavam para investir na empresa.

Extrapolando fronteiras

A Ceres Natural foi planejada na Venezuela, mas nasceu, de fato, em solo paulista, em outubro de 2022, com investimento inicial de R$ 1.500. Com o slogan “formular com ciência e consciência”, os produtos contêm ingredientes 100% naturais, incluindo as embalagens, que atendem ao conceito 3R (reduzir, reutilizar e reciclar). Apesar de ter iniciado a produção na própria casa, por questões de higiene e segurança, o casal logo buscou um espaço adequado. Depois de passar por testes de qualidade, os produtos foram avaliados por parentes e amigos.

Andrea e José se dedicam a produzir cosméticos durante cinco horas por dia e, nas demais, focam na logística e publicidade. O principal canal de vendas da Ceres é a Shopee, via atacado e varejo. “A experiência é dinâmica. Quem estiver começando, sugerimos que sejam criativos e inovadores ao oferecer os produtos, para ter mais tráfego nas vendas”, aconselha José. Com preços a partir de R$ 10, os produtos mais vendidos são o óleo para crescimento de sobrancelha, com argan, rícino e alecrim, hidratantes para tatuagem, além da linha pet, com hidrante para patinhas e sabonete antipulgas.

Incentivo que mudou a história

Com apoio do Sebrae, Andrea se formalizou como microempreendedora individual (MEI)  em outubro do ano passado. O casal recebeu toda a formação inicial até ser convidado a participar da Feira do Empreendedor, em 2022. “Foi um desafio porque a Ceres ainda estava nascendo e tínhamos pouco estoque. Vendemos muitos sabonetes de aveia branca e lavanda. Ao mesmo tempo, foi importante conhecer a necessidade do público para melhorar as fórmulas. Nos motivou a impulsionar os negócios”, relembram.

Os produtos foram bem recebidos pelos brasileiros, principalmente quem já consumia e tinha consciência sobre a cosmética natural. A partir de então, a Ceres Natural começou a se posicionar nas plataformas digitais e os empreendedores conseguiram equilibrar o dinheiro das vendas com o custo dos materiais. Para o casal, o aprendizado nunca pode parar. “Vamos continuar nos capacitando para fazer crescer a empresa, principalmente na área de exportação. Estamos trabalhando para entregar um lote maior de vendas e lançar novos produtos”, projetam os empreendedores venezuelanos.

]]>
0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/cultura-empreendedora/ton-comecou-pequeno-e-hoje-cobra-ate-r-250-mil-em-joias-e-pecas-de-arte/Mon, 04 Dec 2023 17:00:38 +0000https://www.ilyyt.com/?p=18917Antes de se dedicar ao empreendedorismo, Washington Pequeno foi vigia de carros, vendedor de rua, produtor de eventos, trabalhou na construção civil e no ramo de restaurantes. Hoje, ele é designer de joias contemporâneas inspiradas em elementos da natureza e atende clientes mundo afora. O brasiliense encontrou nos negócios a oportunidade para reescrever sua história com as próprias mãos: “Resolvi investir nas minhas habilidades para monetizar toda essa expertise”.

A primeira encomenda do artista, antes mesmo da fundação de sua empresa, foi uma mesa para o escritório de um colega. Ton, como gosta de ser chamado, inspirou-se na história da família desse cliente e no bioma Cerrado para produzir uma peça que combinou madeira, resina e itens da natureza advindos do Lago Paranoá. O processo de fabricação da mesa durou 150 dias e incluiu a busca por árvores do Cerrado caídas para usar como matéria-prima, além da construção de uma marcenaria para produção.

Após concluir esse projeto, sua esposa, Renata Maria, o incentivou a “começar pequeno”. Seguindo o conselho, ele carinhosamente fabricou um anel em formato quadrado de resina azul e madeira. Renata ficou tão encantada com o presente, que pediu mais um, dessa vez redondo e com pedaços de Araucária. As fotos das peças rodaram as redes sociais e essa popularidade surpreendente levou Ton a criar uma coleção de 30 anéis e, consequentemente, a sua marca. Assim surgiu o Estúdio Pequeno Ton Forma, sendo “Ton” derivado de seu nome, Washington, e “Pequeno”, de seu sobrenome.

Em seu estúdio, montado no jardim de casa, são fabricadas joias com elementos naturais, como anéis, alianças, pulseiras, brincos, colares e projetos personalizados de decoração, como relógios, pesos de livro, esculturas e mobiliários. “Junto os materiais à resina e ao ouro e lapido as peças manualmente”, explica Ton.

A Pequeno Ton adota respeito pela natureza como um princípio de sua identidade. As matérias-primas incluem madeiras de demolição, pedaços de poste de luz antigo, penas de arara que caem após o acasalamento, pedaços de cupim,  madeiras de ressaca do mar, ossos de peixe, sementes da Amazônia, flores, como micro orquídeas, e até esqueleto de borboleta-azul. Sem contar os presentes que recebe de seus clientes internacionais, como uma pérola negra coletada no Taiti e flores de cerejeira do Japão.

A clientela permeia todas as classes sociais. Em seu site, é possível encontrar arte em joias a partir de R$ 99. Segundo Ton, o gosto das brasileiras e das francesas se aproxima: anéis e brincos pequenos. As americanas preferem colares grandes e as espanholas são fãs dos braceletes, muito usados em suas danças. Já as esculturas e mobiliários, que chegam a custar R$ 250 mil, são requisitados por colecionadores de arte e investidores. Suas obras já cruzaram o Brasil e estão em países como Suíça, Reino Unido e Espanha.

Longa jornada

“Aprendi a fazer de tudo um pouco com as mãos”, relembra Ton, que desde a infância consertava as coisas e fazia seus próprios brinquedos. As ferramentas da oficina de seu pai se tornaram os alicerces do futuro empreendimento do empresário, que chegou a ajudar a família vendendo esterco para os jardins nas casas em que sua mãe trabalhava como doméstica.

Entre idas e vindas na carreira, Ton vigiou carros, vendeu frutas e jornais, produziu eventos e, por último, assumiu um cargo comissionado no governo. Enquanto trabalhava no setor público, ele deu um salto e abriu uma loja de reparos, marcando o início de sua trajetória empreendedora. “Eu queria me reencontrar”, relembra Ton. Ele então iniciou a transição para o mundo da arte e design. Das reformas, o brasiliense expandiu suas criações para esculturas e móveis. “A arte é o que eu mais amo”, afirma ele, convicto.

Impacto além dos negócios

A visão de Ton vai além do sucesso financeiro. O Estúdio Pequeno Ton promove projetos de responsabilidade social e sustentabilidade, algo que ele considera um dever. “Como empreendedores, temos os recursos e a influência para fazer a diferença. Não podemos hesitar em causar um impacto positivo”, convoca Tom. Além de trabalhar com reflorestamento por meio do plantio de árvores, ele ministra, em sua chácara, o curso “A arte do sentir” para um público interessado em uma imersão na natureza. A proposta é ensinar a arte a partir de matérias-primas orgânicas da natureza.

Futuro promissor e internacional

“Minha empresa tem um futuro promissor e já mostrou que o produto é comercialmente viável. As pessoas gostam e tem ótima aceitação”, avalia o empresário. Os planos para a Pequeno Ton são gigantes e incluem a criação de novas marcas. Ao perceber que seus produtos são bem aceitos e rentáveis, o empresário enxerga espaço para crescimento. Mas, antes, precisa fazer ajustes em sua gestão.

O primeiro passo será contratar e treinar melhor sua equipe. Ton está aprimorando seus canais de vendas e estrutura operacional, permitindo a ele ter mais liberdade para criar, prospectar e, assim, faturar. Para isso, Ton participará, em breve, do Empretec, programa de formação de empreendedores criado pela Organização das Nações Unidas (ONU). O passo seguinte será inaugurar um showroom para expor seu trabalho. Atualmente, ele avalia parcerias e sociedades até mesmo em outros países.

]]>
0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/cultura-empreendedora/pequenos-negocios-e-o-seu-papel-na-tematica-do-clima-em-debate-na-cop-28/Mon, 04 Dec 2023 14:18:18 +0000https://www.ilyyt.com/?p=18910A programação da Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas – COP 28 desse domingo (3) abriu espaço para debater “Como as pequenas e médias empresas podem mudar o curso de ação no combate ao clima”, tema de um dos painéis da extensa agenda desse terceiro dia da conferência, que ocorre em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

O governador do Pará, Helder Barbalho, e o ministro das Cidades, Jader Filho, estavam entre os painelistas, junto com o ministro da economia de dos Emirados Árabes Unidos, Abdulla bin Touq, e outros convidados. O diretor-superintendente do Sebrae no Pará, Rubens Mago, participou da programação, com integrantes da comitiva que a instituição levou para Dubai.

O governador e o ministro abordaram o papel do governo federal no processo de apoio e crescimento das pequenas empresas no Brasil e o que o governo do Estado tem feito neste sentido no Pará.

Acho que é fundamental que nós possamos aproveitar a oportunidade da COP 30 para envolver as pessoas e a população local. Não apenas olhando o evento, mas olhando a oportunidade do legado que ele pode trazer. Temos atuado a partir da bioeconomia para fortalecer atividades vinculadas a empreendedores, a pequenas e médias empresas, com criação de negócios verdes.

Helder Barbalho, governador do Pará.

“A questão das pequenas empresas em Belém será fundamental”, ressaltou Jader Filho. “Afinal de contas, a prestação de serviços de boa parte de tudo aquilo que vai acontecer na COP 30 passa pelas pequenas empresas. E a gente precisa trabalhar junto com o Sebrae, com o governo do estado e o município. Primeiro, para a gente poder fazer um treinamento para que as pessoas possam entender o que é o tamanho da COP e a gente possa prestar um serviço de qualidade”, defendeu o ministro.

Jader Filho, ministro das Cidades, durante o painel na COP 28.

Preparação

O Sebrae no Pará está com uma comitiva de 14 integrantes participando da COP 28 – dirigente, técnicos, empresários de pequenos negócios e membros do Conselho Deliberativo da instituição.

Para Rubens Magno, a experiência da missão na Conferência da ONU deste ano é um passo fundamental no processo de preparação da cidade de Belém (PA) para sediar o evento em 2025, quando a COP 30 será realizada no coração da Floresta Amazônica.

“Nós já estamos respirando a COP no Brasil desde o ano passado, quando houve a articulação do presidente Lula, eleito, mas não empossado ainda, que foi à COP 27, no Egito, na comitiva da Amazônia Legal. Ali, eles fizeram a colocação do Brasil como sendo a possível sede da COP em 2025. Naquele momento, o Sebrae já começou a vislumbrar as grandes possibilidades e nós apostamos que isso iria acontecer”, lembrou Rubens.

Grande time

No sentido de pavimentar o caminho para a COP 30 em Belém, o Sebrae no Pará montou um grande time e permitiu que parte dele participasse da COP 28 para já adquirir a compreensão da grandeza do evento que Belém sediará em 2025.

Escolhemos quatro grandes eixos de atuação para ajudarmos o Governo do Estado e o Brasil: Mobilidade Urbana, Alimentos e Bebidas, Economia Criativa e Hospitalidade. Esses são eixos muito capilarizados e o pequeno negócio tem uma importância muito grande dentro deles.

Diretor-superintendente do Sebrae no Pará, Rubens Magno.
Segundo Rubens, além da discussão imprescindível sobre a importância da preservação da Amazônia no contexto das mudanças climáticas, a COP 30 vai permitir que o planeta conheça de perto como aqueles que produzem de forma sustentável em Belém e no Pará atuam.

“As discussões sobre clima irão acontecer e elas são importantíssimas e cruciais para o mundo. Mas outro ponto muito importante é apresentaremos, definitivamente, para o mundo que a Amazônia tem pessoas conscientes, que tem produtores, e que eles têm consciência da importância de produzir de maneira sustentável. E o Sebrae tem ajudado nesse entendimento, principalmente no apoio aos pequenos negócios, para que eles sejam fortes, perenes e, principalmente, sustentáveis”, frisou Rubens Magno.

COP 29

A COP 28 só termina no dia 12 de dezembro. Mas o diretor-superintendente do Sebrae no Pará, Rubens Magno, já faz planos para a participação da instituição na COP 29, cujo local será divulgado ao final do evento em Dubai.

Para a próxima COP, o Sebrae se inscreveu para ter direito a um espaço próprio, de modo a estimular o papel dos pequenos negócios nesta nova economia verde.

Rumo à COP 30

Nesta próxima quarta-feira (6), o Sebrae no Pará estará presente no grande evento “Pará Rumo à COP 30”. A iniciativa marcará a apresentação oficial do Pará, e especificamente de Belém, como sede da COP 30.

Com cerca de 300 convidados, o evento terá a participação do ministro Jader Filho, do governador Helber Barbalho, entre outras autoridades, e os participantes terão a oportunidade de conhecer um pouco mais da cultura paraense e da região amazônica, com a apresentação musicais com aristas da região.

Além disso, os convidados poderão assistir à exposição “Em Cores’, com telas, fotografias, prints e impressões digitais que apresentam a região amazônica com sua diversidade cultural e toda sua pluralidade. A exposição apresentará obras da artista plástica Rose Maiorana, do fotógrafo Tarso Sarraf, de Sebá Tapajós, Regilane Guajajara e And Santos.

O evento “Pará Rumo à COP 30” é realizado pelo Governo do Estado do Pará e tem organização do Sebrae, IPAM, Consórcio da Amazônia Legal.

]]>
0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/cultura-empreendedora/cop-30-e-tema-de-painel-na-conferencia-em-dubai/Mon, 04 Dec 2023 13:21:48 +0000https://www.ilyyt.com/?p=18905Espaço de diálogo para falar da Amazônia e a COP 30. Assim foi o painel “A Amazônia aberta ao mundo na COP 30″, realizado nesse sábado (2) pelo Sebrae e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), no Pavilhão CNI/Sebrae, na COP 28. A iniciativa integrou a agenda do segundo dia da Conferência em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, que vai até o próximo dia 12.

O evento teve como painelistas a vice-governadora do Pará, Hana Ghassan, o presidente do Sebrae Nacional, Décio Lima, e o secretário de Estado na Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará, Mauro O’ de Almeida. A moderação foi realizada pelo diretor-superintendente do Sebrae no Pará, Rubens Magno.

“A COP 28 é uma oportunidade única da gente fortalecer o compromisso com a Amazônia. Nós temos provado que é possível produzir e preservar”, destacou a vice-governadora, ao falar do propósito do Governo. Segundo Hana, é preciso se preocupar com a questão da sustentabilidade econômica, ambiental e de inclusão. “São 29 milhões de pessoas na Amazônia, que precisam ser cuidadas para que possam nos ajudar a cuidar do meio ambiente”.

A vice-governadora ressaltou a preocupação de deixar um legado para a região. “Ele está sendo construído a partir de agora, com atração de investimentos, educação ambiental nas escolas públicas, entre outros avanços”, frisou Hana.

O secretário Mauro defendeu que o Pará está preparado para realizar a COP 30 e que é preciso entender que se deve oferecer uma experiência amazônica às pessoas. “Já participei de várias conferências e isso me credencia a concluir que, sim, estamos preparados, e que temos diferencial”. Segundo Mauro, um “desafio é incluir a agenda da floresta à conferência do clima”.

Décio Lima lembrou o papel do Sebrae, do empreendedorismo e dos pequenos negócios.

Primeiro, quero falar que nós representamos um espírito que reúne 60% da população brasileira que querem ser empreendedor. Segundo, 71%  dos empregos brasileiros foram gerados pelos pequenos. Nós somos, portanto, uma parcela considerável da economia brasileira.

Décio Lima, presidente do Sebrae Nacional.

Segundo Décio, “essa importância também está presente na questão da sustentabilidade, uma marca própria do desenvolvimento econômico do Pará”.

“Somos apoio quando se fala em empreendedorismo e pequenos negócios e COP. Traçamos uma estratégia focada em duas frentes: na necessidade de apoio aos empreendedores para aproveitarem as oportunidades de negócios; e preparando esse segmento para que contribuam, cada vez mais, de forma positiva quando se fala em questões climáticas”, explicou Rubens Magno em suas considerações.

Agenda

A agenda da comitiva do Sebrae no Pará na COP 28 segue até o próximo dia 7 de dezembro. Nesse domingo (3), o diretor Rubens e outros integrantes assistem ao painel “Como as pequenas e médias empresas podem mudar o curso de ação no combate ao clima”, que terá entre os painelistas o governador do Estado, Helder Barbalho, e o ministro das Cidades, Jader Filho. “Esse é um dos principais eventos da COP 28 em se tratando de pequenos negócios” destaca Rubens Magno.

Na próxima semana, haverá uma série de visitas técnicas, para conhecer experiências que podem ajudar a preparar os pequenos negócios paraenses para a COP 30: Dubai Wast Manage, solução que transforma resíduos em energia (4); Fábrica da Smartbox (X36) em Al Quoz, para analisar as soluções, incluindo a acomodação de contêineres de luxo X36 – potencial solução para a COP30 (05); Projeto de mobilidade urbana FUGRO, embarcações elétricas e autônomas (06); in5 design no Dubai Design District e ao Dubai Festival City (07).

Ainda no dia 6 de dezembro, haverá um evento de apresentação da COP 30 a diversos convidados, entre eles pessoas estratégicas para o fechamento de parcerias para a realização da conferência na região amazônica. No local, haverá a exposição “Em Cores’”– telas, fotografias, prints e impressões digitais que apresentam a região amazônica com sua diversidade cultural e pluralidade. São 10 obras, de 5 artistas – Rose Maiorana e fotógrafo Tarso Sarraf, Sebá tapajós – artista brasileiro da Street , Regilane Guajajara e And Santos.

]]>
0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/economia-e-politica/cop-28-sebrae-firma-compromisso-pela-mudanca-climatica/Fri, 01 Dec 2023 15:13:01 +0000https://www.ilyyt.com/?p=18830O Sebrae está presente na COP28, a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, que acontece até o dia 12 de dezembro, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. A instituição faz parte da maior delegação brasileira já enviada a uma cúpula do clima e vai reiterar o papel estratégico dos mais de 15,4 milhões de pequenos negócios no país na transição energética. A missão acontece em momento fundamental, quando o Brasil se prepara para a COP30, que será realizada em Belém (PA), em 2025.

No Pavilhão do Brasil, o presidente do Sebrae, Décio Lima, e o presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Jorge Viana, dialogaram sobre as perspectivas para o evento no Brasil e defenderam o papel estratégico das micro e pequenas empresas na redução de emissões de gases de efeito estufa e na implementação de práticas mais sustentáveis no país. Em comum, as duas instituições reiteram o protagonismo do Brasil na agenda energética mundial.

Nossa orientação dentro da economia globalizada e nossa presença na COP 28 recebe a atenção da Apex devido ao papel das MPE na economia verde. A missão do Sebrae é justamente mostrar que o caminho para o desenvolvimento sustentável passa, necessariamente, pelos pequenos negócios brasileiros.

Décio Lima, presidente do Sebrae.

Segundo Jorge Viana, a mudança do clima é “uma ameaça à vida e impacta os mais frágeis: os países, as populações e as empresas mais frágeis”. As entidades trabalham juntas para que o debate sobre meio ambiente seja liderado pelo Brasil. “O Brasil volta a ter um protagonismo que é fundamental pra nós”, disse Viana.

Brasil assume liderança na agenda climática

Em seu discurso para Chefes de Estado e Governo na COP 28, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reforçou que o Brasil vem cumprindo a sua parte em frear o impacto das mudanças climáticas no mundo, mas lamentou que acordos como o Protocolo de Kyoto, de 1997, ou os Acordos de Paris, de 2015, não estejam sendo implementados. “O caminho desta COP28 à COP30, no Brasil, ditará nosso futuro. Aqui, faremos o primeiro balanço global do Acordo de Paris. Na COP29, definiremos um novo objetivo de financiamento. E em Belém formularemos novas Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs)”, afirmou Lula.

“O Brasil se comprometeu a reduzir 48% das emissões até 2025 e 53% até 2030, além de atingir neutralidade climática até 2050. Nossa NDC é mais ambiciosa do que a de vários países que poluem a atmosfera desde a revolução industrial no século XIX”, acrescentou. Além disso, Lula trouxe em sua fala que o Brasil está firme no compromisso de zerar o desmatamento na Amazônia até 2030 e reduziu seu avanço em quase 50% nos 10 primeiros meses deste ano, o que evitou a emissão de 250 milhões de toneladas de carbono na atmosfera.

]]>
0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/cultura-empreendedora/pequeno-negocio-e-parte-desta-nova-ordem-mundial/Fri, 01 Dec 2023 12:35:13 +0000https://www.ilyyt.com/?p=18815As relações internacionais do Sebrae compreendem políticas de Estado e assim devem ser entendidas. Ao criarmos ou fortalecermos parcerias em todo o mundo com instituições que exerçam funções convergentes no estímulo aos pequenos negócios e empreendedorismo, damos uma sólida contribuição para o desenvolvimento sustentável e para a inclusão social. São medidas que estão alinhadas ao compromisso assumido pelo governo Lula e do Geraldo Alckmin com o Sul Global na redução das desigualdades, com a inclusão social, o combate à fome e à pobreza, a transição energética e o desenvolvimento sustentável e a reforma da governança global.

As agendas internacionais invocando os pilares da cidadania, os alicerces democráticos e resgatando a credibilidade brasileira no cenário global devem ser desdobradas por todas as instituições nacionais, atores políticos e empresários locais. As portas do mundo estão abertas, permeáveis a uma nova ordem. Todos podem e devem fazer mais, independentemente do setor. Os pequenos negócios são parte essencial neste debate. Não dá para discutir descarbonização, por exemplo, sem colocar o segmento no centro do debate.

O Sebrae vem atuando junto com a Apex e outros setores da sociedade em uma agenda de trabalho ambiciosa, que inclua o empreendedorismo como tema central das transformações em curso. Essa agenda internacional é verificável por meio de acordos no âmbito do Mercosul, do G20, além de parcerias sistemáticas com a Apex Brasil, os Ministérios das Relações Exteriores e do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, sempre em busca da inclusão produtiva e social.

Entre os resultados concretos no âmbito institucional, estão acordos com o Inapem e o Pró-Empresa, instituições congêneres na Angola e em Cabo Verde, respectivamente, visando à capacitação do corpo técnico de ambos os países, o intercâmbio de experiências e metodologias, além de ações e políticas públicas em apoio ao empreendedorismo.

Já quando olhamos para a linha de atuação voltada para ampliar mercado internacional para os pequenos negócios, temos a edição de 2023 do Web Summit, evento de inovação da Europa, que levou a maior delegação brasileira da história para Portugal. O Sebrae, em parceria com Apex Brasil, MRE, MDIC e SERPRO, organizou a delegação com grupo de 400 empresas, das quais 200 eram startups. A prospecção de mercados ocorreu junto a 73 mil participantes de 153 países. As empresas brasileiras desembarcaram em Lisboa sabendo exatamente as conexões que iriam fazer, projetando a geração de negócios na ordem de R$ 9 milhões, recorde para o segmento.

-

O próximo grande palco para o Brasil demonstrar o seu protagonismo global será a COP28, em Dubai, de 30 de novembro a 12 de dezembro. A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas é crucial para acelerar a transição energética e atenuar as catástrofes climáticas, cada vez mais rotineiras no Brasil e no mundo. O Sebrae dará sua contribuição em diversos painéis, destacando a importância estratégica dos pequenos negócios na transição verde em todos os continentes.

Décio Lima, presidente do Sebrae Nacional.

Com uma base sólida de fontes renováveis, o Brasil tem a oportunidade de liderar pelo exemplo, estabelecendo-se como um modelo para outras nações.

A responsabilidade aumenta, pois em poucos dias, o presidente Lula assume o G20. Será um momento histórico, que marcará a liderança do Brasil na condução de assuntos essenciais para o mundo. O debate promete gerar mudanças essenciais para a Humanidade. O Brasil possui uma agenda ambiciosa, que assegure a sustentabilidade do planeta e a dignidade das pessoas. Os desafios serão muitos, como sediar a COP 30, em 2025, a primeira na Amazônia. O trabalho já começou e os pequenos negócios, que respondem por 95% das empresas brasileiras, são parte essencial nesta transformação para um mundo com mais qualidade de vida para todos. A gente quer que o pequeno negócio seja entendido como parte da discussão.

]]>
0 gravity gaming chair - desenvolvimento sustentável – 0 gravity gaming chair – 0 gravity gaming chairhttps://www.ilyyt.com/cultura-empreendedora/sebrae-organiza-missao-para-a-cop-28-em-dubai/Thu, 30 Nov 2023 12:00:58 +0000https://www.ilyyt.com/?p=18800Um grupo liderado pelo diretor-superintendente do Sebrae no Pará, Rubens Magno, segue para Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, para participar da COP 28, que ocorrerá de 1° a 12 de dezembro. A comitiva é composta por técnicos da instituição, conselheiros e empresários.

A missão tem como objetivo analisar a temática do empreendedorismo e os pequenos negócios na COP 28, observar o papel que os pequenos negócios têm para contribuir de forma positiva para as questões climáticas e as oportunidades que a COP 30 vai proporcionar aos empreendimentos desse segmento, sendo o Sebrae o apoio a esses negócios. A COP 30 vai ser realizada em 2025, em Belém do Pará.

Para Rubens Magno, a intenção é entender como os pequenos negócios – que têm uma atuação importante para a economia dos países, na geração de emprego e na contribuição do PIB – se prepararam para a COP 28, quais as principais ações promovidas para receber os visitantes e como adotaram, no dia a dia, as práticas e processos para mitigar as questões climáticas, como a redução de emissões de gases de efeito estufa nos seus processos diários.

Acima de tudo, ao retornar para Belém, queremos ajudar a disseminar para os pequenos negócios paraenses as boas práticas adotadas em Dubai, para que façamos uma excelente edição da COP 30 em nossa cidade.Rubens Magno, diretor-superintendente do Sebrae no Pará.

O empresário Wigor Oliveira, que integra a comitiva paraense, é um dos mais entusiasmados. “Quero entender como funciona a COP, analisar as melhores práticas e como estão se organizando para que consigamos realizar um grande evento em Belém. Também é importante olhar para os pequenos negócios, que é público do Sebrae, para saber como podemos contribuir para que todos obtenhamos sucesso com esse grande evento em nossa cidade.”

Agendada Missão

Dia 01/12

16h – Reunião entre COP 28 e COP 30 com a equipe de engajamento com setor privado.

Dia 02/12

Manhã e tarde – Programação na Zona Azul.

12h – Painel ‘A Amazônia aberta ao mundo na COP 30’.

Dia 03/12

Tarde – Programação na Zona Verde.

14h30 – Painel “Como as pequenas e médias empresas podem mudar o curso de ação no combate ao clima”.

Dia 04/12

Manhã – Visita técnica à Dubai Wast Manage.

Tarde – Programação na Zona Verde.

Dia 05/12

Visita Técnica à fábrica da Smartbox (x36) em al quoz.

Dia 06/12

Manhã – Programação na Zona Azul.

Tarde – Visita técnica ao projeto de Mobilidade Urbana Fugro (embarcações elétricas e autônomas)

20h – Evento Pará rumo à COP 30.

Dia 07/12

Manhã – Visita técnica à in5 Design no Dubai Design District.

Tarde – Visita técnica ao Dubai Festival City.

]]>
0 gravity gaming chair Mapa do site

1234