slots lvhttps://www.ilyyt.comAcesse conteúdos jornalísticos, nos mais variados formatos, focados na informação como aliada das micro e pequenas empresasThu, 01 Feb 2024 15:11:51 +0000pt-BRhourly 1 https://wordpress.org/?v=6.2.4slots lvhttps://www.ilyyt.com/economia-e-politica/rio-tem-aumento-de-6-de-novas-empresas-ligadas-ao-carnaval/Thu, 01 Feb 2024 11:00:39 +0000https://www.ilyyt.com/?p=20070O Carnaval mobiliza diversos segmentos, como turismo, alimentação, moda, beleza e economia criativa. Segundo dados da Confederação Nacional do Comércio (CNC), no ano passado, o Carnaval movimentou R$ 8 bilhões no Brasil. Levantamento do Sebrae Rio aponta que a capital carioca contava com 223,2 mil empresas ativas ligadas à festa em 2023, um crescimento de 6% em novas atividades na comparação ao ano anterior. Do total dessas empresas, 98% são pequenos negócios (MEI – 75%; ME – 19%; e EPP – 3%).

Os números reforçam a importância econômica do Carnaval para quem empreende. Muitos aproveitam esse momento para planejar, investir na festa e aumentar o faturamento no período, além de empresas sazonais enxergarem como uma oportunidade de manter no azul as contas da empresa ao longo do ano.
Carolyne Gomes, coordenadora de Economia Criativa do Sebrae Rio.

No Rio de Janeiro, 41% das empresas ligadas ao Carnaval são consideradas em estágio inicial (possuem de 3 meses a 3 anos e meio de existência). Já 38% dessas empresas são apontadas como estabelecidas (com mais de 3 anos e meio de vida). Para uma diferenciação de mercado, essas empresas precisam envolver criatividade, autenticidade e entendimento do público que consome o produto e o serviço.

Os municípios com maior concentração de pequenos negócios ligados às atividades voltadas para o Carnaval são: Rio de Janeiro (38%), Duque de Caxias (5%), São Gonçalo (5%), Nova Iguaçu (4%), Petrópolis (4%), Niterói (3%), Nova Friburgo (3%), Campos dos Goytacazes (3%), Maricá (2%) e São João de Meriti (2%).

-

Estratégias para quem já empreende ou busca entrar no segmento:

  • Invista na tematização criativa do seu espaço físico e virtual
  • Ofereça experiências exclusivas aos clientes
  • Busque parcerias e colaborações inovadoras
  • Invista na sustentabilidade e na responsabilidade social
  • Venda uma história ao invés de apenas produtos e serviços
]]>
slots lvhttps://www.ilyyt.com/economia-e-politica/sebrae-diz-que-reducao-da-taxa-selic-e-positiva-mas-ainda-dificulta-acesso-ao-credito/Wed, 31 Jan 2024 23:14:31 +0000https://www.ilyyt.com/?p=20081O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deu prosseguimento à sequência de redução da taxa básica de juros (Selic) e anunciou, nesta quarta-feira (31), um corte de 0,5%, levando a taxa para o nível de 11,25% ao ano. Esta é a quinta queda consecutiva. Em agosto de 2023, o índice estava em 13,75%, após 12 aumentos seguidos. Mesmo com o recuo, os juros continuam acima dos dois dígitos, o que, somado à inflação de 4%, traça um cenário ainda difícil para as micro e pequenas empresas que necessitam acessar crédito para pagar suas dívidas. “O Brasil precisa de crédito, a economia precisa ter crédito para poder crescer e se desenvolver, principalmente os pequenos negócios, que precisam ter uma taxa de juros protetiva”, defende o presidente do Sebrae, Décio Lima.

Essa dificuldade foi comprovada em estudo do Sebrae que sinaliza que apenas 30% das micro e pequenas empresas procuram os bancos para ter acesso a crédito – dessas, somente 40% têm sucesso na busca por empréstimos. Já outra pesquisa da instituição e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que aproximadamente sete em cada 10 pequenos negócios inadimplentes no Brasil têm 30% ou mais do seu custo mensal comprometido com dívidas. O dado reforça que além da redução da Selic e da melhora na economia, faz-se necessário o lançamento de uma nova etapa do programa Desenrola Brasil voltado especificamente para os MEI, micro e pequenas empresas (MPE) medida já anunciada pelo governo federal.

De acordo com o levantamento, para 23% das empresas com dívidas atrasadas, os débitos chegam a representar mais de 50% das despesas mensais do negócio. O endividamento das MPE continua a ser uma preocupação, e o Desenrola para os pequenos negócios é fundamental para que a base dos CNPJ brasileiros tenham condições de aproveitar esse momento de estímulo da economia com a tendência de queda da taxa de juros, argumenta o presidente Décio Lima.

Nossa luta para baixar a Taxa Selic será permanente e nossa pressão está tendo resultados. Não fosse ela, nós não teríamos mais esse acontecimento de hoje, quando o Copom faz a redução da Taxa Selic, que ainda está alta.

Décio Lima, presidente do Sebrae Nacional.

Ele lembra que milhares de empreendedores que precisaram buscar crédito durante o período mais crítico da pandemia de Covid-19 ainda estão lutando para se livrar das dívidas. “As taxas de juros praticadas pelos bancos para os empréstimos de micro e pequenas empresas chegam até 30% ou 35% ao ano. Por isso, precisamos cuidar para que eles consigam recuperar o fôlego e voltar a investir e gerar empregos”, acrescenta.

]]>
slots lvhttps://www.ilyyt.com/economia-e-politica/neoindustrializacao-nova-plataforma-abre-inscricoes-para-200-mil-micro-pequenas-e-medias-empresas-industriais/Wed, 31 Jan 2024 17:39:22 +0000https://www.ilyyt.com/?p=20064Micro e pequenas empresas industriais que desejam ampliar sua produtividade e competitividade já podem se inscrever na nova plataforma do Brasil Mais Produtivo, apresentada nesta quarta-feira (31). A partir de 2024, o programa inicia nova fase com foco na transformação tecnológica das empresas. Serão destinados à iniciativa mais de R$ 2 bilhões dos R$ 300 bilhões previstos para o Nova Indústria Brasil, divulgado pelo governo federal e com a coordenação do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC).

Acesse e participe gratuitamente: https://www.ilyyt.com/.

A expectativa é engajar até 200 mil empresas pela plataforma e atender direta e presencialmente mais de 93 mil até 2027 em uma jornada de produtividade e transformação digital.

A nova fase do programa é coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) em uma parceria inédita entre o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), a Empresa Brasileira de Inovação Industrial (Embrapii) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES).

O vice-presidente e ministro do MDIC, Geraldo Alckmin, destacou a necessidade de melhorar a competitividade dos pequenos negócios. Foto: Larissa Carvalho.

O vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, destacou a necessidade de as pequenas indústrias se tornarem mais competitivas. “O mundo vai ter que descabornizar e o Brasil é o grande protagonista em inúmeras rotas tecnológicas. Teremos uma oportunidade importante de nos reindustrializarmos”, comentou.

Vamos nos empenhar o mais rápido possível para fazer que a pequena empresa tenha mais oportunidade, gerar riqueza e trabalho para o nosso país.

Geraldo Alckmin, vice-presidente da República e ministro do MDIC.

“Estamos juntando aqui dois craques, Sebrae e Senai, para ir à empresa ou pela plataforma digital fazer o diagnóstico correto, identificar o gargalo, verificar onde pode ter um salto de produtividade”, ressaltou Alckmin, ao explicar que o aumento da produtividade é um dos focos da neoindustrialização, ao lado da descarbonização, inovação e exportação.

Presidente do Sebrae, Décio Lima, ao lado do vice-presidente da República e ministro do MDIC, Geraldo Alckmin. Foto: Charles Damasceno.

“A neoindustrialização é um marco histórico para dizer que o Brasil é um país desenvolvido, soberano e capaz de resolver os abismos sociais no nosso país”, ressaltou o presidente do Sebrae, Décio Lima.

Pela primeira vez, estamos em uma sinergia com órgãos fundamentais para a construção desse processo que é imperativo para a economia brasileira, que trará inovação, sustentabilidade e inclusão.

Décio Lima, presidente do Sebrae Nacional.

O ministro Márcio França apontou o potencial da plataforma para tirar empreendedores da informalidade. Foto: Larissa Carvalho.

Por sua vez, o ministro Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, Márcio França, destacou que a plataforma será uma oportunidade para atrair a confiança dos milhões de empresas que estão na informalidade. “A iniciativa de criar a plataforma tem que vir incorporada, unificada, em poucas palavras, com o objetivo de apoiar essas pessoas. E o Sebrae tem essa facilidade. É a porta em que as pessoas confiam. Os empregos que precisamos estão aqui”, afirmou.

Parceiros

Gustavo Leal, do Senai, também destacou os aspectos positivos do programa, como a digitalização. Foto: Larissa Carvalho.

Para o diretor geral do SENAI, Gustavo Leal, o programa e a Plataforma de Produtividade representam uma oportunidade para as micro, pequenas e médias indústrias brasileiras se tornarem mais competitivas. “Esse programa é multifacetado, desde a digitalização à requalificação profissional. É um programa que tem características únicas e uma escala única. É importante reconhecermos o quanto o ministério foi ousado na composição desse programa, além do trabalho em conjunto, que será capaz de fazer grande diferença para a economia.”

A presidente da ABDI, Cecilia Vergara, reforçou que o lançamento da plataforma marca um dia muito importante para o Brasil Mais Produtivo. “Para a ABDI é uma honra participar dessa iniciativa e ser responsável pela gestão operacional do programa. Nosso time segue trabalhando para consolidar o Brasil Mais Produtivo como o maior e mais impactante programa de aumento de produtividade do país, voltado para micro, pequenas e médias empresas. Tenho certeza de que estamos no caminho certo”, disse.

“O Plano Mais Produção busca pavimentar os caminhos para uma indústria mais inovadora e digital, mais verde, mais exportadora e mais produtiva. O Novo Brasil Mais Produtivo é um pilar essencial da estratégia de neoindustrialização nacional, por meio da digitalização de processos básicos e da inserção de novas tecnologias com foco em pequenos negócios”, afirmou José Luis Gordon, diretor de Desenvolvimento Produtivo, Inovação e Comércio Exterior do BNDES. “A plataforma é uma complementaridade do NIB, um esforço do governo e do setor produtivo brasileiro para aumentar a inovação nas empresas. A Finep faz parte deste grande movimento pelo Brasil”, pontua Celso Pansera, presidente da Finep.

“A Embrapii se soma a esse esforço, por meio do desenvolvimento de tecnologias apropriadas aos desafios diagnosticados na plataforma, disponibilizando a sua rede de ICTs com expertise nas mais diversas áreas de competência tecnológica, para impulsionar a competitividade dos pequenos negócios no mercado”, disse o presidente da Embrapii, Chico Saboya.

Como vai funcionar

A inscrição é a porta de entrada no novo Brasil Mais Produtivo, que oferecerá um ciclo completo de conhecimento, com acesso gratuito a cursos, materiais e ferramentas sobre gestão e produtividade, entre outros temas. A partir daí, as empresas participantes poderão entrar em uma jornada rumo à transformação digital, seguindo uma trilha de aperfeiçoamento definida a partir das necessidades diagnosticadas no início do processo.

No programa, as empresas passarão pelo aperfeiçoamento de suas práticas, com foco em melhoria de gestão, inovação, mercado, manufatura enxuta, eficiência energética, transformação digital, buscando aumento de produtividade e competividade. A partir de 2024, as empresas terão atendimento integrado do Sebrae e do SENAI. Também está previsto o acesso a crédito com juros baixos ou recursos não-reembolsáveis para adoção de tecnologias ligadas à indústria 4.0 e às smart factory, ou as fábricas inteligentes. O objetivo é transformar digitalmente 90% das pequenas empresas industriais.

A plataforma é a primeira etapa da ação, cujas metas iniciais preveem o acompanhamento de 93 mil empresas. O programa abrange outras três categorias. Dessas, 50 mil receberão orientações, diagnósticos e planos de melhorias, entre outros instrumentos de apoio do Sebrae, como o acompanhamento dos Agentes Locais de Inovação (ALI), previsto nesta fase.

Após esta fase, 30 mil negócios deverão obter atendimento integrado com consultorias e educação em Manufatura Enxuta ou Eficiência Energética. Por fim, soluções de transformação digital serão implementadas em 8,4 mil micro, pequenas e médias indústrias e 1,2 mil médias empresas do setor contarão com o plano de acesso a cursos de pós-graduação um plano completo de transformação digital: da elaboração do projeto de investimento ao acompanhamento de implantação. Na modalidade, 360 empresas industriais receberão apoio do SENAI com o desenvolvimento de novas tecnologias.

Nova era da industrialização

O Novo Brasil Mais Produtivo está alinhado às diretrizes da nova política industrial brasileira, lançada pelo governo federal no último dia 22. A Nova Indústria Brasil (NIB) é lastreada em seis missões voltadas para o crescimento do país e a melhoria da qualidade de vida da população. A missão 4, que prevê a transformação digital da indústria para ampliar a produtividade, engloba investimentos na indústria 4.0. O objetivo é promover um salto de digitalização das empresas industriais brasileiras (de 23,5% digitalizadas, atualmente, para 90%), além de triplicar a participação da produção nacional nos segmentos de novas tecnologias até 2033.

Em meados de novembro, foi lançado o novo Brasil Mais Produtivo com a meta de alcançar 200 mil empresas até 2027, sendo 93,1 mil atendimentos nos próximos três anos. Nesta nova fase, o programa coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), em parceria com o Sebrae, SENAI e Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), foi ampliado com a chegada de mais parceiros estratégicos. São eles: BNDES, Finep e Embrapii.

Com isso, o programa Brasil Mais Produtivo entra em nova fase e se prepara para promover um salto tecnológico das micro e pequenas empresas (MPEs) industriais do país, após três anos de execução. Iniciado em plena pandemia, a iniciativa levou inovação para pequenos negócios do comércio, serviço e indústria que precisavam se adaptar às mudanças e desafios do momento. No período, o Brasil Mais Produtivo atuou para melhorar a competitividade de mais de 150 mil MPEs pelo país, em mais de 3 mil municípios, para identificar os gargalos na produtividade e rapidamente implementar soluções de alto impacto e baixo custo.

Para isso, as empresas receberam acompanhamento técnico dos Agentes Locais de Inovação (ALI), bolsistas que atuam sob orientação do Sebrae. Nesse período, essas empresas tiveram ganhos de performance com aumento médio de 22,7% na produtividade e crescimento médio de 8% no faturamento. O diferencial do programa é o acompanhamento in loco, oferecendo soluções para sanar as maiores “dores” do empresário naquele momento. No ano passado, o programa se aperfeiçoou para atender demandas voltadas à transformação digital dos pequenos negócios.

]]>
slots lvhttps://www.ilyyt.com/economia-e-politica/nova-politica-industrial-se-desdobra-na-transformacao-digital-dos-pequenos-negocios/Wed, 31 Jan 2024 13:42:24 +0000https://www.ilyyt.com/?p=20040A Nova Política Industrial proposta pelo governo brasileiro, intitulada Nova Indústria Brasil, emerge de um profundo debate junto ao setor produtivo do país como instrumento para reverter o cenário da desindustrialização enfrentado nas últimas décadas. A iniciativa, liderada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo vice-presidente Geraldo Alckmin, representa uma oportunidade histórica para impulsionar a indústria nacional até 2033, priorizando a sustentabilidade e a inovação. Serão investidos R$ 300 bilhões, cabendo à política de neoindustrialização nortear o investimento.

Um dos pontos de destaque e que fazem desse plano algo inédito é a atenção direcionada às micro, pequenas e médias empresas, que, ao longo da história, estiveram à margem de boa parte das políticas públicas voltadas ao setor. O governo Lula reconhece o papel crucial dessas empresas no desenvolvimento socioeconômico do país, sendo responsáveis por uma proporção essencial dos empregos e agentes ágeis e inovadores na diversificação do setor industrial.

Por isso, o plano tem como meta engajar, no primeiro momento, 200 mil dessas empresas ao longo de quatro anos, aumentando sua produtividade em 20%. Essa abordagem fortalece a base produtiva, estimula a geração de riqueza, ao mesmo tempo em que cria empregos de qualidade. A transformação digital é um dos pilares da nova política, um caminho sem volta, que visa transformar digitalmente 90% das empresas industriais brasileiras. Serão R$ 2 bilhões de investimentos para transformação digital.

O Sebrae está participando ativamente desse processo. A iniciativa abraça a indústria 4.0, fomentando o desenvolvimento de produtos digitais e a produção nacional de semicondutores. O governo busca não apenas modernizar a indústria, mas também triplicar a participação da produção nacional de novas tecnologias. A desburocratização é mais uma frente da Nova Indústria Brasil, com 41 projetos voltados para a melhoria do ambiente de negócios. Essa medida é essencial, principalmente para as MPE, que enfrentam grandes desafios para ampliar sua produtividade. Isso representa melhorar a gestão, implantar eficiência energética, tornar a empresa mais competitiva.

Décio Lima, presidente do Sebrae Nacional. Crédito: Larissa Carvalho.

As metas de transição para a bioeconomia e a redução das emissões de carbono estão integradas aos objetivos de ampliar em 50% a participação dos biocombustíveis na matriz energética de transportes e reduzir em 30% as emissões de carbono da indústria nacional. Além de atender as demandas globais por práticas mais sustentáveis, o compromisso com a sustentabilidade posiciona a indústria brasileira como força inovadora e responsável no cenário internacional.

A iniciativa do governo é um passo estratégico na direção de elevar as micro e pequenas indústrias brasileiras ao papel de protagonistas que lhes pertence. Ao olhar com atenção diferenciada para as necessidades desse segmento, o país promove as bases para um futuro mais promissor e sustentável.

Com a implementação efetiva dessa política, será possível vislumbrar um horizonte em que os pequenos negócios não apenas sobrevivem, mas prosperam, potencializando ainda mais a retomada do crescimento do Brasil com distribuição de renda e oportunidades para todos.

Será apresentada hoje a Plataforma da Produtividade, ferramenta de acesso ao novo Brasil Mais Produtivo, programa voltado ao aumento de produtividade e de competitividade de micro, pequenas e médias empresas e que faz parte do projeto de neoindustrialização do governo federal. O lançamento marca a abertura das inscrições e o início de nova fase do B+P, que, a partir deste ano, terá foco na transformação tecnológica das empresas.

A jornada de atendimento às empresas terá execução do Sebrae e do Senai, voltada à melhoria de gestão, inovação, mercado, manufatura enxuta, eficiência energética e transformação digital. A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) se somam ao programa.

]]>
slots lvhttps://www.ilyyt.com/economia-e-politica/irpf-e-mei-e-nao-sabe-por-onde-comecar-aprenda-o-passo-a-passo-em-serie-de-videos-do-sebrae/Wed, 31 Jan 2024 13:17:50 +0000https://www.ilyyt.com/?p=20034Chegou a hora de acertar as contas com o Leão! E os contribuintes que são microempreendedores individuais (MEI) devem estar atentos na hora de declarar seu Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). O Sebrae preparou uma série de 10 vídeos e uma página on-line inteiramente dedicadas a esclarecer dúvidas sobre todo o processo de declaração e servir como mais uma ferramenta de apoio para os donos dos pequenos negócios.

Precisa declarar à Receita Federal quem recebeu, em 2023, rendimentos tributáveis como aluguéis, salários, entre outros, acima de R$ 28.559,70 por ano. É importante que cada profissional esteja atento ao seu segmento e ao cálculo que deve fazer de acordo sua faixa de isenção para a distribuição de lucros – 32% para serviços, 8% para empresas comerciais e industriais, 8% para transporte de carga e MEI Caminhoneiro e 16% para empresas de transporte de passageiros.

Caso o valor for superior ao estipulado pela Receita Federal depois de subtraídos a parte isenta do total faturado no ano e os gastos da empresa, o contribuinte é obrigado a entregar a declaração. O Sebrae ressalta a importância de registrar as retiradas e guardar os comprovantes (gastos com compra de mercadorias, serviços, água, luz, aluguel, entre outros).

O vídeo traz o passo a passo, desde a entrada no portal da Receita Federal até o preenchimento do campo de recebidos por Pessoa Jurídica, onde o microempreendedor individual deverá inserir os dados da sua empresa e o valor tributável. É importante não se esquecer de preencher o montante do contribuído para a previdência social. Na aba de rendimentos não tributáveis, na opção “13 – Rendimento de sócio ou titular de microempresa”, será necessário incluir também o CNPJ e o valor que ficou isento de impostos.

Além disso, não deixe de cadastrar o capital social em Bens e Direitos com o mesmo valor inserido no Certificado de Condição de Microempreendedor Individual (CCMEI).

Confira o vídeo completo:

De olho nas dicas

O Sebrae preparou uma série de 10 vídeos com todas as orientações para facilitar a vida dos microempreendedores individuais (MEI). Lá, o empreendedor vai encontrar dicas sobre “Como se formalizar como MEI”, “Como fazer o cadastro no portal Gov.BR”, “Como emitir as guias DAS do MEI em atraso”, entre outros conteúdos.

Jornadas MEI

Quer começar a empreender? Já tem um negócio ou precisa organizar sua empresa? O Sebrae preparou um portal com conteúdos inteiramente voltados aos microempreendedores individuais. Nele, quem quer se tornar MEI ou já abriu a própria empresa vai encontrar o caminho para melhorar vários aspectos do dia a dia do negócio.

Ao completar as trilhas de conhecimento, o empreendedor poderá ter acesso a benefícios exclusivos, como consultorias, bônus de desconto e mesmo acesso à linhas de crédito diferenciadas.

Saiba mais aqui.

Série

Esta é a segunda reportagem da série que a slots lv publica nesta semana com informações descomplicadas para você que já é MEI ou que ainda está pensando em abrir um negócio.

]]>
slots lvhttps://www.ilyyt.com/economia-e-politica/bb-deve-operar-linha-de-credito-de-r-6-bilhoes-com-garantia-do-fampe/Acesse conteúdos jornalísticos, nos mais variados formatos, focados na informação como aliada das micro e pequenas empresasFri, 27 May 2022 20:36:07 +0000 hourly 1 https://wordpress.org/?v=6.2.4slots lv Mapa do site

1234